Buscar

A Humanização proporcionando qualidade aos ambientes de saúde

Por Paula Zampiva Tigre

No contexto hospitalar a cura, antes relacionada exclusivamente ao tratamento médico, com o tempo vai ganhando influências de ordem comportamental e arquitetônica, mostrando que o controle sobre a eficiência de um tratamento não está somente vinculado à ação do médico ou ao cumprimento rigoroso das prescrições por parte do paciente, mas também ao ambiente em que o tratamento é efetivado. Pesquisas apontam para a ligação do emocional das pessoas com o adoecer e indicam que ações curativas devem ser desenvolvidas em ambientes que promovam a redução do estresse e envolvam os sentidos de modo terapêutico.


Assim, as edificações hospitalares construídas para promover a saúde e a vida, e concebidas para amparar e tratar o ser humano, devem ser as primeiras a se comprometer com a eficiência, a sustentabilidade, a humanização e o bem-estar dos usuários.


Atualmente, o termo humanização é utilizado na saúde quando o profissional observa o doente como uma pessoa inteira; além de valorizar o cuidado em suas dimensões técnicas e científicas, reconhece os direitos do paciente, respeitando sua individualidade e sua autonomia, sem se esquecer do reconhecimento do profissional também enquanto ser humano, ou seja, pressupõe uma relação sujeito/sujeito.

Na arquitetura, a humanização busca canalizar a necessidade humana por ambientes enriquecedores, vivos e saudáveis, enfatizando a relação de escala homem-edifício, valorizando o verde, o conforto e as variedades espaciais. 


Um grande exemplo prático dessa visão humana nos serviços de saúde é a Clínica Mayo, referência em saúde nos Estados Unidos, que enquanto a maioria das instituições coloca a tecnologia e os processos hospitalares em primeiro lugar, ela investe na relação humana com o paciente e seus funcionários.

Para promover o sentimento de bem-estar, os ambientes são planejados com o intuito de parecerem um refúgio da vida atribulada, preservando o silêncio, luz natural do dia, conexão com a natureza e distrações positivas como a música, por exemplo. O objetivo dos arquitetos é criar espaços físicos que permitam mitigar o estresse de seus ocupantes, em vez de acentuá-lo.


Portanto, a humanização em saúde assume o caráter de um ambiente de cuidado através da capacidade de combinar o valor técnico com o valor ético, no sentido de fortalecer as relações humanas e melhorar a qualidade de vida.